1 º de maio pela vida e fora Bolsonaro

Todos os anos, as entidades sindicais realizam atos que marca o 1 º de maio, dia do trabalhador e da trabalhadora no Brasil e no mundo, um dia de luta. Neste ano, a luta é pela vida, pela democracia, o emprego, a vacina para todos e pelo fora Bolsonaro, que, na avaliação do presidente da CTB-RS, Guiomar Vidor, é o maior mal do Brasil.

“Neste 1 º de maio precisamos defender a vida e para isso é fundamental a defesa da vacina já para todos, do auxílio emergencial de R$ 600, pela geração de emprego e renda, pelo distanciamento social e pelo fora Bolsonaro. Hoje, Bolsonaro e sua política negacionista representam o maior mal do Brasil, atuando contra a vida, contra a saúde, o emprego, a ciência e toda a população brasileira”, destacou Vidor.

Neste ano, as centrais realizam ato estadual solidário, em frente à prefeitura de Porto Alegre, a partir das 10h do dia 1. A atividade terá transmissão ao vivo pelo Facebook e também estará coletando alimentos, no formato drive-thru, alimentos que serão doados para famílias que estão em situação de vulnerabilidade. Passe lá e deixe a sua doação.


UM POUCO DE HISTÓRIA
O Dia internacional dos Trabalhadores – 1º de maio – foi instituído em memória aos mártires da luta pela redução da jornada de trabalho. Operários americanos e europeus combatiam a exploração que os forçava a trabalhar de 14 a 16 horas por dias, reivindicando uma jornada de 8 horas.
Quando milhares de trabalhadores de Chicago, tal como muitas outras cidades americanas, foram para as ruas no 1º de maio de 1886, seguindo apelos dos sindicatos, eles não esperavam a tragédia que marcaria a data. A manifestação sofreu uma repressão brutal, que provocou mais de 100 mortes e a prisão de dezenas de militantes operários. Entre os presos, Alberto Parsons, August Spies, Adolf Fischer, George Engel, Ludwig Lingg, Michael Schwab, Samuel Fielden, Oscar Neeb seriam julgados e condenados. Parsons, Fischer, Spies e Engel foram condenados à forca e executados em novembro de 1887, enquanto Lingg se suicidou na cela. Seis anos mais tarde, em 1893, a condenação seria anulada e reconhecido o caráter político do julgamento, sendo então libertados os réus ainda presos.
Em homenagem aos mártires de Chicago, por decisão do Congresso de 1888 da Federação do Trabalho Americana e do Congresso Socialista de Paris, de 1889, o primeiro de maio foi declarado “dia internacional de luta dos trabalhadores”. Em todo mundo, o 1º de maio é celebrado como símbolo da resistência e da força dos trabalhadores na luta contra a exploração.

Fonte: CTB RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *