“Retira”, gritam milhares de servidores em Porto Alegre para salvar educação e serviços públicos

Em mais um dia histórico da greve da educação e das demais categorias do funcionalismo público que também paralisaram contra “o pacote da morte” do governador Eduardo Leite (PSDB), Porto Alegre foi tomada por dezenas de milhares de pessoas na manhã desta terça-feira (10), que enfrentaram o forte calor e protestaram contra o desmonte do Estado.

Aos gritos de “retira!”, uma multidão, na sua maioria com as bandeiras douradas do CPERS, inúmeras faixas e cartazes, participou da assembleia unificada na Praça da Matriz e depois saiu em passeata pelas ruas do Centro Histórico, culminando em um ato diante da Secretaria Estadual da Fazenda.

“Aqui, nesta Praça, está presente o futuro do Rio Grande do Sul. Somos milhares que representam milhões de gaúchos. É um levante que não se viu em lugar algum do Brasil, com o apoio da sociedade e de todos que se permitem sonhar.”

Presidente do CPERS Sindicato, Helenir Aguiar Schürer.

Eduardo Leite, como nos demais atos em frente ao Palácio Piratini, fez questão de não comparecer. Viajou a Brasília com os recursos públicos que diz faltarem para a educação. “Pode comprar a passagem para o dia 17, governador. Estaremos aqui novamente, e não sairemos da Matriz até derrubar o pacote”, finalizou Helenir, referindo-se à data prevista para o início da votação dos projetos no plenário da Assembleia Legislativa.

Helenir na Praça (2)

Em frente à caixa forte do Estado, guardada pelo Batalhão de Choque da BM, servidores se revezaram nas críticas ao pacote desumano de governo Leite e ao arrocho interminável a quem trabalha para servir os gaúchos.

Eram professores, professoras, funcionários de escola, estudantes secundaristas e universitários, técnicos agrícolas, servidores da saúde, das obras, do planejamento, do DAER, do Judiciário e diversas outras categorias, todos unidos para derrubar as propostas do governo tucano.

Retira (2)

A secretária de Combate ao Racismo da CUT-RS, Isis Marques, salientou que “estamos sendo atacados por causa de uma dívida que não fomos nós que fizemos”. Ela aproveitou para denunciar “o genocídio da juventude negra que não aparece na mídia”. Isis ressaltou que “estamos firmes na luta contra esse pacote da morte do governo Leite”.

Marchando (3)

Famílias inteiras se deslocaram do Interior para defender os seus direitos. Élica Cavaleiro, servente da EEEF Coronel Gervasio, trouxe os dois filhos, estudantes da rede pública, para a manifestação. “Sou contratada e vim para lutar também pelos direitos dos concursados. É agora ou nunca. Se a gente não vai pra rua, quem vai garantir a escola pública dos meus filhos?”, questiona.

Muitos vieram pela primeira vez, como a estudante Laura Paulata, da escola Ponche Verde, de Crissiumal. “Estou impressionada pela quantidade de pessoas unidas com o mesmo propósito. Essa não é uma luta só de quem educa, é de todos nós”, conta.

Estudantes caminham (2)

Gilka Munari e Lucia Langassner, aposentadas de Encruzilhada do Sul, são presença constante nos atos. “Nós viemos em todas as mobilizações até aqui. E vamos até o fim. Se pararmos agora, será o fundo do poço”, disse Gika.

A greve do magistério, iniciada em 18 de novembro, atravessa sua quarta semana, acumulando vitórias nas ruas, nas redes e na sociedade. Mais de 1.500 escolas permanecem afetadas total ou parcialmente, consolidando uma das maiores mobilizações das últimas décadas no Estado.

Helenir vibrando (2)

As categorias reivindicam a retirada do pacote da pauta da Assembleia Legislativa – que extermina direitos e condena educadores e servidores a um brutal achatamento salarial – e o pagamento em dia do funcionalismo, conforme promessas de campanha eleitoral de Eduardo Leite.

Retira3 (2)

Além do CPERS, estão em greve desde 26 de novembro os trabalhadores e as trabalhadoras representados pelo Sindsepe, Afagro, Assagra, Agefa, Sindicaixa, Seasop, Apog e Sintergs.

A próxima semana será definidora e os servidores devem continuar mobilizados para permanecer na Praça a partir do dia 17.

Fonte: CPERS via CUT RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *